Destaques
Tudo que acontece na Estrada Real.
Fique por dentro
04 de Março de 2016

Pintura atribuída ao mestre Athayde é descoberta em Mariana

DSC03221_(1).JPG
A restauração da igreja do Rosário e a implantação do Museu Vieira Servas começou no dia 04 de janeiro deste ano.
As obras de restauro na igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, em Mariana, na Região Central do Estado, surpreenderam arquitetos e restauradores ao revelarem pinturas de quase 200 anos nas paredes centenárias do altar lateral escondidas sobre camadas de tinta. Com isso, se antes a igreja já representavam um valioso tesouro do barroco mineiro, agora deverá ganha um motivo a mais para atrair os visitantes.   As pinturas foram encontradas na quarta-feira (02), pelo técnico em restauração, Mayco Ferreira Gomes, quando trabalhava nos elementos artísticos do altar de Santa Ifigênia. Ao remover a tinta branca do altar lateral surgiu nas paredes centenárias a figura do anjo segurando uma coroa de flores. “Ninguém imaginava que encontraria uma figura em baixo da tinta, pensávamos que havia um tom floral”, explica.   A descoberta surpreendeu o restaurador, Adriano Reis Ramos, especialista em conservação responsável pela obra na igreja. Segundo ele, na medida em que os trabalhos avançam, a figura que está bem conservada é revelada. O especialista acredita que se trata de uma obra do século 19, do mestre Manuel da Costa Athayde (1762-1830), responsável pela pintura do forro do templo, ou do seu filho Francisco de Assis Pacífico da Conceição, que era o seu ajudante.   Segundo Adriano Reis, essa figura foi encoberta por grossas camadas de tinta em algum processo de restauração ocorrida ao longo do tempo. “Antigamente, quando se identificava pequenos estragos numa obra e não sabia resolver ou restaurar era comum encobrir com tinta branca”, explica o restaurador. A restauração da igreja do Rosário e a implantação do Museu Vieira Servas começou no dia 04 de janeiro deste ano. É a primeira obra do PAC das Cidades Históricas, programa do Governo Federal – por meio do Ministério da Cultura e do IPHAN, no município. As intervenções devem durar 18 meses, e tem como objetivo garantir a preservação desse importante monumento histórico, construído em 1752, sendo um expressivo exemplar da terceira fase do Barroco Mineiro, o Estilo Rococó.   “Esta obra é um marco na história de nossa cidade que ruma aos 320 anos. Gostaria de ressaltar que, mesmo com o processo de obras, a comunidade vai poder continuar assistindo a santa missa na igreja, pois no primeiro momento, as obras vão contemplar os elementos artísticos”, afirmou o prefeito Duarte Junior “Du”.   Por determinação do prefeito, foi criado uma força-tarefa liderada pelo secretário de Obras e Planejamento, Newton Godoy, para agilizar a aprovação dosprojetos e viabilizar a execução das obras do PAC Cidades Históricas, em Mariana. 
PAC - Das oito cidades mineiras inscritas no programa do Governo Federal, Mariana é a que garantiu o maior volume de recursos: R$ 67 milhões, com 15 ações aprovadas, entre elas a restauração da Catedral da Sé, que começou no dia 14 de fevereiro, e da igreja de São Francisco de Assis, que aguarda a liberação do recurso. Criado para desenvolver e proteger o patrimônio, o PAC das Cidades Históricas destina recursos à recuperação e revitalização das cidades, à restauração de monumentos e ao desenvolvimento econômico e social, bem como ao suporte às cadeias produtivas locais. Segundo o governo federal, ao todo, serão investidos cerca de R$ 1,6 bilhão em 44 cidades brasileiras, destinados a 425 obras de restauração.
Compartilhe esta página: